Faça Você Mesmo Marcenaria

A arte de curvar madeiras

A arte de curvar madeiras

Pau que nasce torto nunca se endireita!

E madeira que “nasce” reta pode ser curvada?

A resposta é sim!

Obviamente que dependendo da espécie a tarefa pode ser mais fácil ou difícil, sem contar que certas dimensões (largura e espessura) tal tarefa pode se tornar impossível.

Réguas finas de madeiras macias podem ser curvadas até a frio mesmo, nesse caso será preciso fazer camadas intercaladas com algum tipo de adesivo (cola ou resina) para que permaneça na posição desejada.

Também a frio, porém com danos estéticos a peça é possível fazer cortes com serra e curvar. Esse método reduz a resistência da peça o que inviabiliza em muitos casos

As demais a tarefas irão necessitar de calor. Existem algumas formas para isso:

Os luthiers gostam de um modelo a seco. Um tubo é aquecido e a peça a ser curvada é aquecida apenas pontualmente no local da curva.

Na marcenaria o método usado é uma câmara de vapor onde a madeira é aquecida por inteiro e depois curvada.

Em comum todos os métodos exigem moldes, a não ser que queira algo orgânico e sem formato predeterminado como um cabideiro que fiz.

O Toninho Arteirinho fez uma câmara de vapor muito simples e eficiente.


Adilson Pinheiro

Aos três anos ganhei meu primeiro serrote e desde então sou apaixonado por ferramentas e produção. Designer autodidata, vidreiro e artesão, acima de tudo apaixonado por ferramentas e o que com elas podemos fazer. Atualmente compartilho o que aprendi em 37 anos desde o serrotinho em meu blog e canal no Youtube.

Comentários

  1. Muito bom!

    ESPENCER AVILA GANDRA em 23/06/2017
  2. Muito bacana Adilson, sou seu fã e sigo vc no YouTube, uma pergunta, para fazer um semi círculo com diâmetro de 75cm no método de laminação a frio, de jequitibá, qual a espessura das tiras devo fazer?

    Hugo em 16/07/2020
    • Hugo, a frio creio que 5mm seria o limite para cada tira. acima disso pode lascar. Pode acontecer de ter que fazer até mais fina, tem que testar

      Adilson Pinheiro em 21/07/2020